terça-feira, 1 de outubro de 2013

Polícia descobre plano para matar Luiz Couto e obriga deputado a cancelar agenda na Paraíba.




O serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social da Paraíba detectou um plano para matar o deputado federal Luiz Couto (PT). Dois pistoleiros alagoanos teriam sido contratados para executar também a ouvidora da Polícia Militar da Paraíba, Valdênia Paulino. Luiz Couto ficou sabendo do plano por agentes federais, na sexta-feira passada (27). Quando desembarcou no aeroporto Castro Pinto, em Bayeux (região metropolitana de João Pessoa) teria recebido a recomendação de agentes da PF de suspender todas as atividades públicas previstas para o final de semana em sua agenda. Segundo os agentes relataram, "havia uma majoração do risco à integridade física deste parlamentar". O deputado federal contou que ficou surpreso, ao desembarcar na Paraíba e perceber que, além da escolta da Polícia Federal que lhe acompanha, havia no saguão do aeroporto um reforço de agentes e de policiais militares. Ele cancelou sua agenda na Paraíba e retornou à Brasília (DF). Pelo relato do deputado federal, os supostos criminosos seriam contratados por R$ 500 mil e a transação desses valores teriam sido articuladas por um ex-policial militar, identificado como Luiz Quintino de Almeida Neto. O deputado sustenta qque Quintino foi expulso da PM paraibana após inúmeras denúncias feitas pela ouvidora Valdênia e por ele. "Quintino foi preso durante a operação Squadre", lembrou. O parlamentar afirmou ter recebido denúncia de que parte do dinheiro [R$ 300 mil] teria sido transportado por Dinamérico Cardim, agente penitenciário que supostamente fez o carregamento do dinheiro numa caminhonete do Grupo Penitenciário de Operações Especiais da Paraíba (Gpoe), pertencente à Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Ainda segundo o deputado federal, todo o levantamento desse plano teria sido feito pelo serviço de inteligência da Secretaria da Segurança e da Defesa Social da Paraíba, que teria detectado que dois pistoleiros alagoanos estariam em João Pessoa para executar dois militantes que combatem o crime organizado. Couto ressaltou que, de acordo com a mesma denúncia, Dinamérico Cardim possui em sua guarda um Fuzil IBEL, calibre 762, customizado, com luneta de longo alcance, tripé metálico e munição calibre 762. Acrescentou que o Gpoe é subordinado diretamente à pessoa do secretário da pasta, Walber Virgolino da Silva Ferreira, e que só ele poderia determinar a saída e o deslocamento deste grupo. O deputado federal relatou, ainda, que tomou conhecimento de que no dia 13 de setembro último, durante o lançamento de uma revista, ocorrido numa casa de recepções em João Pessoa, Walber Virgulino teria "detratado" o secretário de Segurança Pública, Cláudio Lima. O secretário de Administração Penitenciária teria acusando o secretário de Segurança e Defesa Social de proteger Luiz Couto, a ouvidora Valdênia Paulino e de ficar ao lado "do povo dos direitos humanos". Valber Virgulino não quis comentar as declarações de Luiz Couto. Ele parafraseou o poeta e ex-senador Ronaldo Cunha Lima. "Minha alma, minha vida têm a transparencia dos cristais. Coloque coloque minha vida moral e funcional na balança e compare com a de quem esta me acusando. Deixe o povo julgar" O deputado federal levou o caso, nesta segunda-feira (30) à tribuna da Câmara Federal. Informou ter solicitado ao governador Ricardo Coutinho e ao superintendente da Polícia Federal da Paraíba que investiguem as denúncias. A PF informa que não pode se pronunciar sobre casos que envolvam a segurança de parlamentares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário